Sobre blogar como antigamente.

Essa sou eu, escrevendo um post. Do meu celular. Esperando um vagão mais calmo pra entrar, as 19h de uma terça. Percebi que, na verdade, não tenho mais paciência pra blogar como a maioria bloga: construir posts bem pensados e ilustrados, sobre um assunto relevante (ou não), e daí fazer a imagem pra divulgar no facebook, no Instagram, no Twitter… Percebi que fiquei um pouco pra trás, por preguiça. Quando comecei a blogar as coisas eram bem simples: você escrevia sobre o seu dia, sobre o assunto da escola, os amigos também blogavam no seu blog sobre as coisas mais diversas do dia a dia. No máximo a gente colocava um GIF ou uma foto de uma banda, de um ator ou atriz (no meu caso sempre eram fotos dos filmes do Harry Potter hahaha) e, eventualmente, resultados dos testes que a gente fazia sobre “quem é você em Harry Potter” ou “qual seu expecto patrono?” – tudo isso muito antes de buzzfeed e facebook, vejam bem. E o resultado te davam umas montagens super legais pra colar no seu post ou na sua sidebar. Inclusive, na sidebar você encontrava as informações muito importantes sobre mim no “current”: GIFs pequenininhos e fofos pra você indicar ao lado do respectivo o que tava vestindo, comendo, vendo ou ouvindo entre tantas outras coisas. Blogar, antigamente, não era sobre status, publipost ou treinar pra ser jornalista. Muito menos sobre dinheiro! Se, naquela época, alguém me dissesse que blogueira seria profissão super bem remunerada no futuro, eu riria. Eu, que vi o “just Lia” nascer dos templates toscos, de posts sobre o estágio da Lia, sem look do dia ou publipost ou imagens se quer. Eu apenas podia imaginar como a Lia era baseada no que ela escrevia e no que o current dela mostrava. Vi nascer os “template shops” – e os vi morrer também. Óbvio que o comércio de templates pra blog não acabou, mas naquela época as pessoas dedicavam horas do seu dia pra montar VÁRIOS templates pra você baixar e usar a vontade, de graça! Blogar (e criar coisas pra blogs como gifs, plaquinhas, awards, templates) se fazia por amor, numa época em que os pais reclamavam quando você passava tempo demais na frente do computador e que a conta do telefone vinha estourada (e que ficar no computador não dava futuro e blog não caia na prova/vestibular)! Blogar era nossa diversão diária, não era agenda e muito menos obrigação. O sentido de blogar era, justamente, não ter sentido. Não definir nicho nem padrões. Acho que me perdi um pouco por causa disso tudo, e sinto falta de blogar por prazer, por felicidade, só pra escrever um texto. Apenas blogar e não “gerar conteúdo relevante”. Então eu deixo aqui pra vocês meu texto, minha declaração de amor a mais pura essência de blogar. Ao simples fato de escrever um texto, sem pensar nas regras e padrões e clicar em publicar.

Te amo, meu diariozinho.

Mariana Maneira

Mariana Maneira

Nascida em pleno verão de Janeiro de '89, em Santos. Mãe da Luna, nascida no fim do inverno, em Setembro de '16, em São Paulo. Amo a praia e o caos da cidade. Sou formada em produção multimídia, trabalhando como webdesigner, costurando nas horas vagas. Provavelmente escrevi esse post do celular, enquanto a Luna dormia ou mamava.
Mariana Maneira

Últimos posts por Mariana Maneira (exibir todos)

Você também pode gostar

6 Comentários

  1. Oi, Mariana!

    Vi seu post no Rotaroots.

    Gostei do texto… Hoje eu tenho um blog de nicho, mas tenho saudade da época mais inocente… de blogar sobre o que quisesse quando dá vontade e da interação com os amigos que rolava. Hoje em dia, mesmo no meu blog de nicho, sinto que estou nadando contra a corrente… Que não tem muita gente interessada em ler. Mas tento continuar e melhorar pq gosto de compartilhar o q compartilho por lá. Ainda mantenho meu blog pessoal antigo, mas raramente posto algo.

    1. Hoje em dia, em meio a tanto blogueiro que consegue relevância com a carteira, acho que a gente vive num mantra constante de “eu não vou ligar pra isso” né? hahaha pelo menos eu me sinto assim às vezes, como se ninguém ligasse pro meu blog já que o da blogueira famosa X tem uma vida muito mais interessante rolando pra ser assistida! Toda essa popularização de “ser blogueiro” foi muito boa por um lado, por outro parece que mimou demais o público mais novo e mais recente, que tá acostumado a fotos de viagens bonitas, roupas caras e casas bem decoradas – e não liga pro blog nosso de cada dia! ahahaha Mas bola pra frente que tem lugar pra gente também nessa maré! <3

    1. E olha, logo essa publicação que fiz exatamente desse jeitinho, sem ligar pra alcance, pra números, pra nada, teve todo esse retorno! Me fez ver que não sou só eu que venho me sentindo assim! hahaha obrigada pelo carinho Carol! <3

  2. Eu sinto bastante falta dessa época também. Tive vários blogs quando era adolescente e senti muita nostalgia lendo seu texto. Principalmente sobre os GIFs fofos, as plaquinhas e os testes haha.
    Eu ando um pouco desanimada de blogar ultimamente por causa disso e vivo abandonando e voltando com meu blog. Às vezes me questiono sobre o motivo de eu estar blogando, se estou escrevendo um post por uma vontade de compartilhar aquela ideia e conversar com pessoas sobre isso ou porque eu quero “gerar um conteúdo relevante”, como você falou.

    1. Ju, acho que todas estamos passando por isso nessa época agora, onde somos saturadas por “gerar conteúdo relevante” por todos lados, ontem todos querem ser “blogueiros glamurosos” sem precisar batalhar por isso – acho que isso irrita um pouco a gente que tá aí na estrada já há anos e faz isso mais por amor do que por dinheiros! hahaha Mas que bom que você gostou e que eu te levei um pouco dessa nostalgia boa daquela época simples! <3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *